Ciao Milano

Dia 30 de Julho. Exame de projecto depois de uma noite sem dormir. Última entrega de projecto. Última maquete…última cadeira…e hora de dizer adeus.

Desde Roma, ficou para trás um mês e meio que passou a voar, entre arquitectura da paisagem, um regresso à Suiça para uma tarde nas Termas de Vals do Exmo Sr. Peter Zumthor. Piscinas de água quente, muito quente, cheirosa ou gelada. Piscina no exterior…e no meio dos alpes. Salas com janelinhas por onde só se vê verde ou uma casinha…quiçá uma vaca! Mas para mim, o melhor da Suiça continua a ser a própria Suiça. Verde. De carro e na Primavera.

Ficou para trás a visita da Tia Cá, chegada num dia de famosa tempestade milanesa! Uma tarte de amendoa com sabor a casa, conversas nas varandas (na nossa e na do Duomo), passeios, regresso a Sta Margherita em descapotável e mais conversas. Daquelas que só tenho com a tia. Porque a tia é A Tia. E mais não digo porque não sei dizer. Mas também sei  não preciso. Soube tão bem a visita!!! Mesmo entre tempestades e trovoada! 😉

P1050942

P1050957

Ficou para trás mais um regresso a Sta Margherita, mas desta vez com a desculpa de ir para estudar…que se estuda tão bem na praia…e não é que não correu mal de todo!?

Ficou um aperitivo memorável no Navilglio. Esplanada e cocktails, melgas e mosquitos. Amigos. Antecipação das saudades que vamos ter…brindes na porta ticinese, os gelados grom, as conversas e as pernas cruzadas e rabo no chão nas colunas de São Lourenzo…

Ficou um “assalto” à piscina do Politecnico as duas da manha. Saltar a primeira grade (não há rabo que não fique entalado). Passar entre a segunda (“primeiro a cabeça!! Encolhe o rabo!!!”). Saltar uma outra terceira. Ver as luzes do edifício da polícia que dá para a piscina e tentar nao fazer barulho. Agua gelada, mas tinha que ser! E depois já ninguém queria saber do barulho, estavamos lá e pronto! E com frio!!

E entre estas coisas foram semanas intensas de trabalho. Trabalho que não sabe bem aqui em Milão. Porque Milão é bom é para andar na rua, não para estar em casa. Ver as pessoas partir. Ficar e trabalhar. Foste também tu, mula de um raio, cheia de lamechices, que agora percebo bem. MAS EU ESTIVE CÁ UM ANO!!! =) Sabe.me bem que me ligues e tenho saudades tuas…das tuas parvoices, vá…das tuas histórias completamente alucinadas/ridículas/hilariantes. Maria Mula para mim!! =)

Apresentar projecto. Sentir um certo vazio que não sabia explicar. E no caminho de taxi para casa  perceber. Perceber que me vai fazer falta andar assim em Milão. Cidade que achei feia e À qual me habituei assim. Fim de tarde a olhar para o Duomo. Na via vittorio emanuel. O eterno caminho do três para a porta ticinese e para o naviglio. Sentir que é a última vez. Que mesmo que se volte nunca mais vai ser o mesmo. Nó na garganta que não consigo evitar. Não é que acabei por gostar desta cidade?! E muito…Far-me-á falta. Tantissima.

Dizer adeus à tola da Aga. Que posso dizer que foi um pouco como a cidade. Primeiro estranhou.se, depois entranhou-se. Lembro-me da primeira vez que a vi. “Onde eu me vim meter!”. Miúda doida de quem vou ter saudades. Voltarei a vê-la. Na louca polónia da tão famosa vodka e na queima de tão famosa birra. Porque como qualquer polaco que se preze, a Aga aprecia é um bom alcool! E depois quem sabe.

Arrumar o quarto, a casa e ver tudo vazio. Como da primeira vez que aqui viemos. Sozinhas, desorientadas. Desesperadas até. E agora, estamos assim. Sozinhas em casa, e em Milão. Sem dúvida que outra vez um pouco desorientadas. Passaram dez meses. E é muito mais o que passa por mim agora. Sim, quero ir. Mas tambem não quero. Sei, de certeza, que vou ter saudades demais. Sei, de certeza, que nunca vou esquecer.

Muledo Olibeira, companheira de estábulo desta experiência que “é fantástica” (ihih): WE LOVE MILANO! 😉 *

Anúncios

1 Comentário »

  1. Mary said

    O nó na garganta demora algum tempo a desaparecer…sei bem, porque muitas vezes mo disseste apesar de eu nunca o ter sentido, que Milão não foi o que esperavas. Mas também sei que no final não é a cidade que conta, é quem lá esteve. Sentirás saudades da rotina que construiste, das voltinhas habituais, daquele passeio típico san babila-vit emmanuele-duomo-via torino-colonne-porta ticinese, the works!
    Eu não vejo o dia em que o meu post erasmus acabará..e também não sei se quero que acabe. Permanecer neste estado saudosista para sempre. O mais triste será voltar a Milão e descobrir que o tempo passou, que a cidade não esperou pelo nosso regresso. Teremos de continuar por cá o que começamos lá.
    Sabia que chegaria o dia em que tu também sentirias essa indecisão mental do querer ir e do querer ficar…e sei que so fiquei 3 meses e tu 1 ano….mas despedir-me de ti e do busto à porta de vossa casa foi mesmo difícil. Apanhar o último shuttle na centrale também. E receber a tua mensagem enquanto via milão pela última vez…e sentir lágrimas a escorrerem pela minha bela face…
    As minhas histórias mantêm-se, muitas mais para contar…espero que fiques por perto para assistir 😉

    uma última beijola para quem passa a sua última noite na Piola!

RSS feed for comments on this post · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: